RSS

Arquivo da tag: C+A Arquitetura e Interiores

Crianças x internação

Os prejuízos trazidos por uma internação prolongada são bem conhecidos. Por isto, é tão importante promover a humanização das instituições de saúde, de qualquer porte, desde consultórios, com atendimento ambulatorial, até hospitais quaternários de especialidades médicas, como Cardiologia ou Oncologia, buscando prevenir comportamentos deprimidos e visando promover a saúde e a pronta recuperação. “A arquitetura pode contribuir muito para o bem-estar do paciente, através de projetos que ajudem a criança a enfrentar as dificuldades da internação e da doença. Os projetos devem promover a segurança desse paciente, passando tranqüilidade e isso se consegue através de detalhes específicos, como a exploração da iluminação natural nos ambientes e a utilização de cores, por exemplo”, defende a arquiteta Ana Carolina Tabach.

 

Anúncios
 

Tags: , ,

Para amenizar a espera

Além de uma iluminação adequada, o projeto de luminotécnica nos ambientes de saúde deve contemplar também o estudo do impacto dos efeitos biológicos e psicológicos da luz sobre os usuários do prédio.  “Devemos considerar ainda as características específicas das atividades e procedimentos, dos equipamentos e tecnologias utilizados no consultório e as suas demandas de luminosidade”, explica a arquiteta Ana Paula Naffah Perez, diretora de projetos da C+A Arquitetura e Interiores. O clima tropical do Brasil proporciona condições para um maior aproveitamento da luz natural no interior das edificações. “A iluminação natural traz diversos benefícios para a saúde, além de proporcionar a sensação psicológica de tempo, tanto cronológico quanto climático. A luz artificial, necessária à noite e nos dias nublados, deve ser vista sempre como uma complementação e nunca como uma substituição da luz natural”, destaca Perez.

 

Tags: , ,

Salas de espera mais aconchegantes

As normas para os edifícios de saúde são rigorosas. A principal delas e mais abrangente é a RDC-50, da ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, regulamento técnico que, desde 2002, normatiza o planejamento dos edifícios de saúde em âmbito nacional, complementado por normais específicas e estaduais. Essa legislação desempenha papel importante no desenvolvimento de projetos de empreendimentos de saúdes. Portanto, quando a edificação é de saúde, além de seguir as normas, o arquiteto deve usar bom senso ao projetar. “Nos setores de uso social, como a recepção e a sala de espera é possível trabalhar com mais liberdade. Além da escolha dos materiais de acabamento, pode-se explorar os recursos do design, principalmente no detalhamento dos mobiliários, de luminotecnia e de luz natural para dar mais riqueza e humanizar os espaços, evitando composições monótonas ou excessivas”, destaca a arquiteta Ana Carolina M. Tabach, diretora de projetos da C+A Arquitetura e Interiores.

 

Tags: , ,

Planejando a expansão da clínica

Segundo a arquiteta Ana Carolina M. Tabach, diretora de projetos da C+A Arquitetura e Interiores, a expansão de um consultório para uma clínica e de uma clínica para um hospital-dia é uma tendência natural na Oftalmologia, por isso deve ser pensada desde a concepção do projeto.  “Somente durante a fase inicial do projeto que é possível refazer tudo. Depois de iniciada a obra ou a reforma, as chances de mudar alguma coisa diminuem, o que pode encarecer o valor total da obra. Deixar espaço para expandir não significa que essa expansão será facilitada. É preciso planejar. Isso é feito através de um estudo de ocupação máxima do terreno. Dentro dessa ocupação, determina-se a primeira etapa da construção, que pode ser metade ou um terço, e assim por diante”, destaca a arquiteta. Durante o planejamento, o arquiteto deve pensar também em como economizar o consumo de energia dos equipamentos oftalmológicos e do sistema de refrigeração. Os oftalmologistas instalados nos grandes centros urbanos encontram mais dificuldade para encontrar o espaço ideal para a clínica, já prevendo uma futura expansão.  “Estes profissionais, geralmente, têm que expandir a clínica para casas ao redor, subir para um novo andar, ou, ainda, sair do endereço atual e se mudar para um novo local. Poucos são os oftalmologistas que já contam com um planejamento anterior que permita a expansão, sem grandes mudanças ou gastos excessivos”, explica Ana Carolina M. Tabach. Já em cidades do interior e em estados menos populosos existe a opção de um estudo de viabilidade, pois é possível encontrar locais espaçosos que permitam a expansão da clínica.

 

Tags: , , , ,

Dicas na hora de reformar a clínica ou o consultório – parte 11

“Nos ambientes de saúde, costumamos utilizar uma combinação de cores. As tonalidades quentes ou frias devem ser equilibradas. Com a predominância das tonalidades quentes, mas não excessivamente estimulantes, apenas o suficiente para manter os pacientes despertos e os funcionários com uma boa produção. Ao projetarmos um consultório, uma clínica ou um hospital, procuramos dar ao local um aspecto vivo e animado, que também é transmitido a pacientes e funcionários. A arquitetura contribui muito para a humanização hospitalar, melhorando as condições dos usuários desses espaços, contribuindo, assim, com o  próprio tratamento do paciente”, diz Ana Paula Perez.

 

Tags: , , ,

Dicas na hora de reformar a clínica ou o consultório – parte 9

“Quando pensamos na aplicação de cores nos ambientes de saúde – consultórios, clínicas, hospitais, UTI’s, maternidades – sempre temos em vista que o objetivo dos profissionais que trabalham nestes espaços é o aumento da qualidade de vida do homem. Por essa razão, a cor passa a ter um significado diferente para pacientes, acompanhantes de pacientes e funcionários das instituições de saúde, devendo, portanto, ser valorizada pelos profissionais que estão envolvidos com o planejamento arquitetônico deste espaço”, defende a arquiteta Ana Carolina Tabach.

 

Tags: , , ,

Dicas na hora de reformar a clínica ou o consultório – parte 8

Quanto à refrigeração dos ambientes de saúde, existem normas muito específicas para isso. “Alguns ambiente poderão contar apenas com ar-condicionado para conforto ambiental, outros ambientes deverão seguir as restrições de filtragem e volume de troca de ar específicas determinadas pelas normas”, diz Ana Carolina. “É necessário também que o projeto planeje áreas destinadas ao conforto do corpo clínico. Refeitórios, banheiros e vestiários privativos, copa com frigobar e filtros são alguns desses recursos. O fácil acesso ao consultório também conta pontos a favor”, conta a arquiteta Ana Paula Perez

 

Tags: , , ,